Notícias mundo cristão

0 46

Celso Antônio Marchiori pediu união de católicos e evangélicos contra emissora.

Em um sermão recente, Dom Celso Antônio Marchiori, o bispo da Diocese de Apucarana (PR), conclamou católicos e evangélicos para se posicionarem contra a Rede Globo. Segundo o líder religioso, a emissora ataca constantemente a família e a religião cristã.

A mensagem, parte final de uma missa, tem se espalhado por grupos de Wahtsapp do país inteiro. “Nós, católicos, aliás, não deveríamos assistir mais a Rede Globo, porque a rede Globo é um demônio dentro das nossas casas com suas novelas e seus programas com aparência religiosa”, enfatizou, sendo aplaudido pelos fiéis presentes.

Marchior também citou a Bíblia em sua admoestação: “Cuidado, porque a Palavra de Deus diz, na primeira carta de Paulo aos Coríntios que o diabo tem poder de se transformar num anjo de luz para enganar, se possível até, os eleitos”.

Segundo ele, a Globo “é uma rede manipuladora que está nos conduzindo para o abismo, para a destruição”. Finalizou dizendo que já conversou com pastores sobre a necessidade dos cristãos se unirem contra a emissora que ataca a religião e a família.

 

 

0 356

O funcionário de uma hipermercado sentiu Deus tocar em seu coração para que ele ajudasse uma família em dificuldades financeiras, e ele pagou do próprio bolso a compra.

Nicholas Tate é cristão e trabalha em uma loja do Walmart na cidade de Newcastle, Oklahoma (EUA), e um certo dia, uma cliente teve dificuldades para quitar sua compra, pois o cartão não aprovava a operação.

Era uma sexta-feira, tarde da noite, e uma fila se formava no caixa de Nicholas, com os demais clientes resmungando por conta da demora. A cliente, uma mulher com três crianças bastante agitadas, tentava controlar os filhos e resolver o problema do pagamento.

Paciente, Nicholas perguntou se ela tinha tido “um daqueles dias” em que tudo fica mais difícil do que o esperado. “Ela disse que realmente tinha sido um daqueles dias”, contou o funcionário ao portal Charisma News.

Na conversa, a mulher explicou que era mãe adotiva e que tinha se inscrito em um programa social do governo federal que ajuda famílias de baixa renda havia pouco tempo. “Ela pediu desculpas já de antemão, porque ela estava usando um cartão cedido pelo programa e nem sabia como usá-lo ainda”, contou Nicholas.

O funcionário, então, decidiu tranquilizá-la, dizendo que a ajudaria na tentativa de resolver o problema, já que o sistema não estava aceitando o pagamento de alguns dos itens que ela tinha comprado com aquele cartão de benefício, incluindo um leite para bebês com menos de um ano.

O gerente foi chamado, e enquanto ele conversava com a mulher sobre a situação, Nicholas sentiu em seu coração a vontade de ajudar. “Eu senti que Deus estava pedindo para que eu pagasse aquelas compras. Não tive dúvida, Deus estava dizendo: ‘Pague por isso’”, contou.

De imediato, Nicholas sacou o próprio cartão e quitou os US$ 60 da compra que a mulher tentava fazer. Em lágrimas, a mulher agradeceu, pegou os mantimentos e saiu com os filhos.

Repercussão

Nicholas tem 20 anos e está estudando no Instituto Bíblico de Austin como preparação para se dedicar ao ministério missionário, já que tem planos de viajar para Honduras e divulgar o Evangelho naquele país.

“Quando Deus me diz para fazer algo, eu simplesmente faço o que tem que ser feito. Deus me disse: ‘Eu coloquei você neste lugar no momento certo, e eu sabia que você estava pronto para isso – pague estas compras’. Então, sem hesitação, tirei meu cartão e o passei”, reiterou.

O que Nicholas não esperava era que a mulher, em um gesto de gratidão, compartilhasse a história no Facebook. Dias depois, um cliente o abordou no hipermercado e mostrou a publicação, perguntando se ele era o funcionário de quem aquela mulher falava em seu post.

A mulher sentia que não havia agradecido de forma correta ao gesto de Nicholas, e usou a rede social na tentativa de descobrir quem era o rapaz. A iniciativa funcionou e eles puderam se reencontrar posteriormente. “Foi muito legal encontrá-la e falar com ela”, comentou o futuro missionário.

Com a repercussão, Nicholas disse que não imaginava que tantas pessoas ficassem sabendo de seu gesto: “Eu estava apenas tentando abençoar alguém e melhorar o dia para aquela pessoa, mas isso se transformou em algo incrível. O importante não foi o que eu fiz, mas sim o que Deus fez através de algo tão pequeno. Ele pegou algo tão pequeno e glorificou Seu nome com isso”.

0 343

Aconteceu nesta quarta-feira (14) a segunda audiência de quatro cristãos iranianos: Yousef Nadarkhani, Yasser Mossayebzadeh, Saheb Fadaie e Mohammad Reza Omidi. A primeira audiência foi no dia 15 de outubro. Nada de concreto foi decidido até agora, e segundo as autoridades, eles foram acusados de “agir contra a segurança nacional” e estão presos desde o dia 13 de maio. As informações são do site do ‘Portas Abertas’.

Não houve nenhum veredito após a audiência. Sabe-se que a sentença máxima é de seis anos de prisão. Pastor Nadarkhani já esteve preso anteriormente por quase três anos pelo crime de apostasia e enfrentou a sentença de morte, antes de sua liberação em 2012.

Em outubro, Mossayebzadeh, Fadaie e Omidi foram sentenciados a 80 chicotadas cada um. Haverá um recurso contra esta audiência no dia 9 de fevereiro de 2017. Omidi já foi condenado duas vezes, se houver uma terceira condenação ele poderá ser executado.

Pedidos de oração

Interceda por eles e peça ao Senhor para conduzir os advogados de defesa durante esses processos. Peça a Deus para que o juiz tenha um olhar diferente sobre a vida deles e que, de alguma forma, possa agir em favor desses cristãos iranianos. Ore junto dessas famílias que vivem um momento de grande tensão. Que o Senhor se mantenha no controle o tempo todo.

Fonte – verdadegospel

0 502

O governo dos Estados Unidos anunciou nesta terça-feira (24) que pedirá a pena de morte no julgamento de Dylann Roof, acusado de matar a tiros nove fiéis negros em uma histórica igreja da comunidade negra de Charleston, na Carolina do Sul, em crime de ódio guiado por motivos raciais.

“Determinei que o Departamento de Justiça peça a pena de morte. A natureza do suposto crime e o dano resultante nos obrigam a tomar esta decisão”, disse em declarações enviadas aos veículos de comunicação a procuradora-geral dos EUA, Loretta Lynch, a primeira mulher negra à frente do Departamento de Justiça.

Embora o presidente dos EUA, Barack Obama, tenha se mostrado reticente à aplicação da pena de morte em alguns casos, nesta ocasião o governo decidiu pedir esta punição após revisar “rigorosamente” os fatos relevantes, segundo Lynch.

O governo dos EUA também pediu com sucesso no ano passado a pena capital para Dzhokhar Tsarnaev, coautor confesso dos atentados da maratona de Boston de 2013, onde morreram três pessoas e outras 264 ficaram feridas.

Em julho do ano passado, a procuradora apresentou contra Roof 33 acusações federais e lhe indiciou por crimes de ódio ao considerar que se guiou por motivos raciais quando abriu fogo contra um grupo de pessoas que lia textos sagrados na histórica Igreja Africana Metodista Episcopal de Charleston.

Seis mulheres e três homens, entre eles o pastor da igreja e senador estadual Clementa Pinckney, morreram no ataque e, segundo o relato de um dos três sobreviventes, Roof justificou sua ação dizendo que os negros estão se “apoderando” dos EUA.

O governo federal decidiu apresentar acusações por crimes de ódio porque o estado da Carolina do Sul, onde aconteceu o massacre, não contempla este tipo de delito em sua legislação.

Na Carolina do Sul, Roof, de 22 anos, terá que responder a nove acusações por assassinato, três de tentativa de assassinato e outra por portar armas, crimes que também poderiam condená-lo à pena capital.

Os testemunhos de familiares, amigos e conhecidos mostram Roof, com várias detenções nas costas por delitos menores, como um jovem tímido, solitário, antissocial nos últimos tempos e de personalidade racista.

Roof tem visões similares às dos grupos de supremacistas brancos da Carolina do Sul, estado que em julho decidiu retirar a bandeira confederada de seu Capitólio após mais de meio século ondeando em homenagem aos estados do sul que defendiam a escravidão na Guerra de Secessão contra os do norte.

Em uma foto de seu perfil de Facebook divulgada após o massacre, Roof aparece vestido com um jaqueta na qual está costurada uma bandeira do sistema de segregação racial sul-africano do apartheid e outra da Rodésia, antiga colônia britânica que esteve governada pela minoria branca até se transformar no atual Zimbábue, em 1980.

O tiroteio de Charleston voltou a trazer à tona o debate sobre o racismo nos Estados Unidos, muito presente no último um ano e meio por causa de vários casos de homens negros desarmados mortos por policiais brancos.

Fonte – Veja

0 505

Cuba não aparece na Classificação da Perseguição Religiosa atual, mas sua pontuação fez com que se posicionasse em 63º lugar na lista. A liberdade religiosa nesse país ainda é um desafio, mesmo que o reconhecimento do direito dos cidadãos de praticar qualquer crença religiosa faça parte da Constituição. A lei permite na teoria, mas condena na prática, através de restrições cada vez mais específicas. Bíblias e outras literaturas cristãs só podem ser importadas e distribuídas por grupos religiosos registrados e monitorados pelo governo cubano. O governo também não permite o ensino religioso nas escolas públicas.

Em visita a Cuba, no mês de março, o presidente americano Barack Obama, levantou certa esperança de que a política do país pudesse mudar em algum aspecto. Obama é o primeiro presidente em exercício a visitar Cuba desde a revolução de 1959. De acordo com a CSW (Christian Solidarity Worldwide – Solidariedade Cristã Mundial), algumas horas antes do presidente chegar ao país, o líder cristão Mario Felix Lleonart Barroso foi preso e sua esposa ficou detida em prisão domiciliar e a igreja que eles administram ficou cercada pela polícia cubana.

“O presidente Obama encontrou em Cuba o regime de Fidel Castro, que continua a reprimir a liberdade. Essa decisão de prender Mario Felix e sua esposa, juntamente com suas filhas, e ainda na semana santa, representa um total desprezo pelos direitos humanos. O líder religioso está com sua saúde muito debilitada e é fácil perceber que ele está doente, só pela aparência. O que eles fizeram foi desumano”, disse o congressista americano Jeff Duncan, que é o presidente do Comitê dos Representantes na Subcomissão de Assuntos Exteriores no Hemisfério Ocidental.

“Essa aproximação entre os Estados Unidos e Cuba pode ser algo positivo, mas ainda não serviu de nada para alterar a situação negativa da liberdade religiosa no país. Mario Felix foi preso injustamente, simplesmente para ser impedido de participar das atividades públicas relacionadas à visita do presidente americano. Ele não é bem visto pelo governo por ser um ativista da liberdade religiosa proeminente. Muitos outros líderes religiosos são ameaçados de prisão e sofrem vários tipos de violência, com suas igrejas e casas destruídas. A justificativa da polícia é sempre a mesma: insubordinação. Basta falar contra o governo e as algemas já estão prontas”, conclui um dos analistas de perseguição. Interceda por essa nação.

0 620

Em 2015, a Portas Abertas iniciou em alguns países uma campanha de cartas para o líder cristão Dayaratne, da Casa de Abrigo Visão Ágape, no Sri Lanka. Esse trabalho deu visibilidade as ações desse homem de Deus, que atualmente é pastor de uma igreja em Kataragama, no sul do país. Seu testemunho de vida e conversão fazem dele um referencial de fé em sua comunidade, pois nasceu com o estigma de ser maldito, porém Jesus reescreveu sua história, tornando-o bênção para vida de outras pessoas, principalmente de crianças.

Depois de ser identificado como autor de várias atividades infantis, passou a ser odiado pelos monges budistas da região. “Por realizar este trabalho com tanto amor e dedicação, cerca de 14 anos, pelo menos, ele foi parar na TV, em rede nacional e isto despertou um sentimento negativo dos monges. Pode-se dizer que eles ficaram enciumados por perceberem que aquele trabalho foi notado e aplaudido”, comenta um dos analistas de perseguição.

Testemunho de vida

“Meus pais, meus avós, e até mesmo meus bisavós eram feiticeiros e meu pai costumava fazer coisas demoníacas. Minha mãe só soube que estava grávida dois meses antes do meu nascimento. Assim que nasci consultaram os astros, e o horóscopo dizia que eu seria uma maldição para a família, então pensaram logo em me manter longe deles. Com 12 anos fui enviado a um templo budista para ser um sacerdote. Antes disso, porém, eu sabia o que pensavam a meu respeito, por isso eu queria chamar a atenção deles, então eu fazia coisas ruins, como fumar, beber, perturbar as pessoas durante a noite, atirar pedras nas casas de vizinhos. Acredito que, psicologicamente, eu estava abalado”, conta Dayaratne.

“Naquela época eu já sabia sobre Jesus Cristo e achava que ele era inimigo de Buda, por isso eu era contra os cristãos, então as casas deles eram meus principais alvos. Depois que me tornei um monge eu podia continuar a ser ruim, mas de outra forma. No mosteiro, quando o velho monge precisava de algo como licor ou drogas ele pedia para mim, e assim fiquei muito conhecido no templo. Mas em 1998 tudo mudou. Foi quando conheci Lionel Jayasinghe, o primeiro mártir cristão do Sri Lanka. Bandidos budistas entraram na casa dele e atiraram, matando-o na frente da esposa. O motivo era apenas um: ele havia apresentado Jesus para muitas pessoas, inclusive a mim. O pastor Lionel foi a primeira pessoa que me tratou com respeito. Todos me viam como uma maldição ou um menino travesso, mas ele me enxergou como uma pessoa normal e falou comigo com carinho. Nas palavras dele eu sentia paz e enxergava o amor. Ele abriu os meus olhos para o cristianismo, então percebi que todo cristão tem um estilo de vida diferente, um amor surpreendente para oferecer e uma missão incrível para cumprir”.

“Tive então minhas primeiras experiências com Jesus, senti que o povo cristão realmente me amava e, com eles, aprendi a orar. Quando o pastor Lionel me chamou de ‘irmão’ eu me emocionei. Aprendi que estava servindo a um Deus vivo, então eu queria ver Deus, mas ele disse que não era possível. Eu disse a ele que não seria tolo ao ponto de acreditar em um Deus que não consigo ver. Foi quando ele perguntou: ‘Irmão, você acredita que existe ar aqui? Você pode ver o ar?’. Eu disse que sim, porque via as árvores se movendo e eu podia sentir o ar. Então ele explicou que podemos ver o resultado da presença do ar, mas não o enxergamos, nem mesmo quando ele toca os nossos olhos. Foi quando minha mente se abriu e eu compreendi. E ele deu vários outros exemplos, como a energia que passa pelos fios sem ser vista, mas que é responsável pela luz e pelo funcionamento de tantas máquinas e eletrodomésticos. Acontece o mesmo com Deus, não podemos vê-lo, mas podemos contemplá-lo através das suas obras. A cada dia eu via uma nova mudança em minha vida, parei de beber, de fumar, de fazer coisas ruins. Hoje eu sirvo a Jesus, com toda alegria que existe em mim e tenho um grande ministério com crianças. Enfrento muitas dificuldades, mas vejo grandes milagres e sempre me lembro do pastor Lionel, que me evangelizou e mostrou um caminho de paz, de luz e repleto do amor de Cristo”, conclui.

Fonte – verdadegospel

0 667

Governo do PT rejeitou nomeação de embaixador israelense em apoio a causa palestina.

 

No governo da presidente Dilma Rousseff, a diplomacia brasileira mergulhou na defesa dos interesses ideológicos do partido que está no poder e perdeu sua relevância diante da comunidade internacional.

Neste ano, o Brasil deu um passo drástico no esfriamento das relações com Israel, ao rejeitar a nomeação do embaixador Dani Dayan por conta das suas ideologias, o que levou Israel a prometer uma reação.

O governo brasileiro rejeita a aceitação do novo embaixador de Israel desde agosto, quando Dani Dayan foi nomeado por Tel Aviv, principalmente pelo fato de ele já ter presidido entre 2007 e 2013 o Conselho Yesha, que representa os 500 mil colonos israelenses em Jerusalém Oriental e na Cisjordânia, onde ele vive.

Ao longo de 12 anos do PT no governo, não foram poucas às vezes em que o Brasil demonstrou que sua diplomacia estava enfraquecendo e não é a primeira vez que o país se posiciona contra Tel Aviv. No ano passado o Itamaraty – por meio do Ministério das Relações Exteriores – criticou a ação de Israel na Faixa de Gaza como represália as investidas do grupo terrorista Hamas.

Na época Israel respondeu com aspereza contra a nota indigesta do Itamaraty, chamando o Brasil de “anão diplomático”. Agora, segundo Dayan, haverá uma reunião em resposta a negativa do Brasil em aceitar sua nomeação para a embaixada israelense com a cúpula do governo do primeiro-ministro Benjamin Netanyahu, onde deverá ser aprovado medidas diplomáticas em resposta ao governo brasileiro.

“Nesse debate, será apresentado um leque de medidas. Espero que, desse leque, sejam escolhidos passos significativos. Há até um mês, havia uma avaliação em Jerusalém de que o assunto seria resolvido e o melhor a fazer era manter o silêncio”, disse Dani Dayan.

Uma demonstração clara de que o país estaria seguindo as ideologias do Partido dos Trabalhadores é o distanciamento das grandes potências e o flerte com governos ditatoriais, como Bolívia e Venezuela. Durante o discurso de abertura da 69ª Assembleia-Geral da ONU, no ano passado, Dilma chegou a defender o grupo terrorista Estado Islâmico.

Apesar do governo brasileiro afirmar que a rejeição do nome de Dani Dayan como novo embaixador de Israel no país se deva ao fato de ele ser favorável aos assentamentos judaicos na Cisjordânia, o país se omite diante de flagrantes abusos dos seus aliados na América Latina.

Dayan afirma que sua nomeação está sendo rejeitada pelo Brasil por causa de sua ideologia e de onde ele mora, o que considera um preconceito, pois não cometeu nenhum tipo de crime para ser rejeitado. Ele acredita que a rejeição abriria um precedente para que outros moradores de colônias fossem impedidos de ocupar cargos diplomáticos pelo mundo.

Tzipi Hotovely, vice-ministra das Relações Exteriores de Israel, pediu no último domingo que o Brasil aceite a nomeação do ex-dirigente colono Dani Dayan como embaixador no país, porque o governo israelense não tem intenção de enviar outro diplomata a Brasília.

“Nunca houve na história de Israel uma situação na qual um embaixador não foi aceito por suas posturas ideológicas”, disse a vice-ministra em entrevista sobre “a crise diplomática” entre os dois países.

 

Com informações Folha de SP

0 711

Uma cristã condenada à morte por blasfêmia no Paquistão foi colocado em isolamento pelo risco de ser agredida dentro da prisão, depois que várias pessoas detidas por este delito morreram em ataques dentro e fora das celas.

Asia Bibi, mãe de cinco crianças, foi condenada à pena capital em 2010 depois de ter sido acusada de insultar o profeta Maomé por muçulmanos de sua aldeia com quem havia tido uma disputa, algo que ela sempre negou.

A decisão foi tomada pelo alto risco para a detenta antes de uma reunião da Suprema Corte, na semana passada.

A blasfêmia é um tema muito sensível no Paquistão. Até hoje ninguém foi executado no país por esta acusação, mas muitos condenados e acusados de insultar o islã sofreram mortes violentas nas prisões.

No ano passado, um cidadão britânico-paquistanês condenado à morte por blasfêmia foi ferido a tiros por um guarda em uma prisão de Adiala, norte do país, enquanto um casal acusado de incendiar um exemplar do Alcorão foi queimado.

“Ela poderia ser assassinada por outra detenta ou por uma vigilante. Precisamos ter cuidado”, disse um funcionário do sistema penitenciário à AFP.

Entenda o caso

De acordo com informações da rede de igrejas Alive, um projeto apoiado pela Portas Abertas no Paquistão, uma investigação foi realizada para saber das circunstâncias em que Asia Bibi está sendo mantida. Ela foi sentenciada a morte por enforcamento.

Em 2009, ela se envolveu numa discussão com mulheres muçulmanas e foi acusada por ter ofendido o profeta Maomé. Desde então, vive confinada em cela solitária e sem janelas, com a saúde muito comprometida, segundo informações do site Portas Abertas.

A sentença de morte foi suspensa temporariamente, mas o processo ainda pode demorar de 6 a 8 anos, até que o Supremo Tribunal analise os recursos enviados. Relatórios compartilham alguns questionamentos sobre as condições da cristã, em relação à política do país: “Ser presa com 42 assassinos, 30 toxicodependentes, 21 ladrões, 12 sequestradores e tantos outros criminosos e ser confinada de forma solitária, longe de seu marido e filhos, só porque expressou sua fé em Jesus?”.

“No Paquistão, ela é a única mulher no corredor da morte, numa prisão da cidade de Multan, com superlotação e onde não há sistema de ventilação cruzada, o único edifício da história com essa característica. Cada bloco da prisão tem capacidade para apenas 30/40 prisioneiros; no entanto, há cerca de 150 detentos vivendo em cada um deles, com falta de saneamento e má iluminação. Levando também em conta que, os verões de Multan são extremamente quentes”, dizem os relatórios.

Não se tem notícias sobre Asia Bibi, só se sabe que toda vez que ela recebe assistência jurídica, extremistas islâmicos protestam do lado de fora, com os disparos de suas metralhadoras, para intimidá-la, e dizem que vão fazer justiça com as próprias mãos.

Pedidos de oração do Portas Abertas:

– Peça a Deus para que Asia Bibi seja visitada constantemente pelo Espírito Santo e que tenha forças para continuar com sua fé;
– Ore pela sua família, em especial marido e filhos, para que eles sejam consolados;
– Ore para que Deus dê estratégias aos advogados e que ela seja libertada, se essa for a vontade de Deus.

 

Fonte: G1 e Portas Abertas

0 1412

Mulheres indianas enfrentam a violência doméstica, mesmo com as definições da Constituição do país, que garantem direitos iguais para homens e mulheres. Das formas de violência, as piores são os ataques com ácido, abusos e acordos nupciais forçados. Uma mulher que se converte ao cristianismo recebe um tratamento ainda pior.

*Sarita é uma mulher cristã, da Índia Central. Ela sofreu violências físicas e intelectuais por mais de 13 anos, pelo próprio marido, até que ele decidiu abandoná-la. “Ele me atormentava por causa da minha fé. Eu ouvi falar de Jesus quando tinha 16 anos e o amor de Cristo foi crescendo em mim aos poucos. Porém, me apaixonei e me casei com Mohan*, um homem hindu, mas foi só depois do casamento que ele mostrou quem era de verdade”, explica.

Ela conta que o marido chegava em casa bêbado, batia nela e dizia que ela era uma vergonha para a família. “Quando ele mandava eu adorar os deuses hindus e eu me recusava, então eu apanhava ainda mais”, disse ela a um voluntário da Portas Abertas. Enquanto tentava lidar com a situação, descobriu que seu marido tinha um segredo: “Ele já era casado, tinha três filhos e eu era a segunda esposa, mas ele nunca me contou. E a essa altura, eu também descobri que estava grávida”.

Depois de quatro anos, ela teve mais um filho. Sarita orava muito para Deus transformar seu marido, mas ele foi embora para viver com a primeira esposa, e a difamou, além de dizer a um jornal local que ela era prostituta.

“Eu era uma mulher abandonada, difamada e sofrida. Mas agora eu tenho a Jesus, então eu posso todas as coisas, e sempre me lembro da passagem de Isaías 41.10: ‘Por isso não tema, pois estou com você; não tenha medo, pois sou o seu Deus. Eu o fortalecerei e o ajudarei; Eu o segurarei com a minha mão direita vitoriosa’. Por isso eu me considero uma mulher forte”, conclui Sarita.

 

Fonte: Portas Abertas Internacional

0 679

Um fenômeno meteorológico raro foi avistado em várias cidades da Costa Rica esta semana. O evento deixou a população local intrigada. Compartilhada nas redes sociais, a imagem e os vídeos receberam nomes como “nuvem do arrebatamento” e “nuvem do fim dos tempos”.

A formação nebulosa multicolorida tem o nome técnico de “nuvem iridescente”, pois reflete algumas cores do arco-íris. A confirmação foi dada ao ABC News por especialistas.

A luminosidade distintiva é causada pela refração da luz do sol em pequenas gotas de água e cristais de gelo presentes na nuvem.

O fato de ela ser avistada no dia quem se comemora a independência do país gerou muitas teorias nas redes sociais. O fenômeno foi visto nas cidades de San Jose, Parrita, Pavas, Escazu e Hatillo, entre outras regiões do país.

O costa-riquenho Jessie Montealegre publicou um vídeo no Youtube dizendo que era um “sinal de Deus”. Os comentários mostram que para muitos esse tipo de sinal nos céus remete ao momento em que os céus se abrirão para a vinda de Jesus ou como seria no dia do arrebatamento da Igreja.

Embora os comentários tenham rapidamente se espalhado entre populares – que atribuíam o fenômeno não apenas a Deus, mas também a extraterrestres e a OVNIs -, a explicação não é sobrenatural, mas científica.

Embora rara, esse tipo de nuvem foi visto outras vezes. No Egito a aparição anos atrás gerou o mesmo tipo de especulação.

Com informações de ABC News

Facebook